Voltar

Roteiro Arqueológico: A Civitas de Viseu

A partir de um conjunto reduzido de vestígios arqueológicos, o arqueólogo viseense José Coelho anteviu, desde cedo, a relevância de Viseu em época romana, como capital de um território mais vasto, onde várias vias importantes se cruzavam. O Roteiro “A Civitas de Viseu” propõe um passeio por alguns testemunhos desse período, com início nos marcos miliários da Coleção Arqueológica José Coelho, passando pela via de Ranhados/Coimbrões, pela muralha da Rua Formosa, uma visita à insula da Rua da Prebenda, e, por fim, um olhar sobre a acrópole romana.

Desafiamo-lo a percorrer os seguintes pontos e a conhecer melhor o património arqueológico da região de Viseu e o trabalho de José Coelho, investigador pioneiro e promotor incansável da proteção e salvaguarda deste legado ancestral.

 

MARCOS MILIÁRIOS DA CAJC

Um conjunto de quatro marcos miliários, expostos no jardim da Casa do Miradouro, fazem parte da Coleção Arqueológica José Coelho. Estes elementos pétreos eram colocados ao longo das estradas romanas, espaçados entre si cerca de 1480 metros (1 milha). Apresentavam uma inscrição gravada com o número da milha a que correspondiam e outras informações, como a indicação do Imperador responsável pela sua colocação. A identificação destes elementos permite traçar os trajetos de antiga rede viária romana. José Coelho usava os marcos miliários da sua coleção como evidência que sustentava a hipótese de Viseu enquanto capital de Civitas: todos correspondiam a milhas pequenas.

 

RUA DO ARCO

É na Rua do Arco que José Coelho identifica, em 1945, um marco miliário e conclui, através da epígrafe, que se trata da milha 1, e que terá sido mandado erguer por Publius Aelios Adriano, imperador entre 117 e 138 dC. Para o autor, o atual Largo Mouzinho de Albuquerque seria o centro de onde partiam 11 ou 12 vias romanas. A partir da atual Porta dos Cavaleiros partiam 6 vias: 1) para o litoral, por Vouzela; 2) para o Porto, por São Pedro do Sul; 3) para Lamego, por Castro Daire; 4) direta a Lamego; 5) para Sernancelhe, por São João da Carreira; 6) para Insula, por Rio de Loba. Estas duas últimas passariam pela atual Rua do Arco.

 

VIA ROMANA RANHADOS/COIMBRÕES (SÃO JOÃO DE LOUROSA)

Troço de via lajeada, classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público (Decreto n.º 29/90, DR, 1.ª série, n.º 163 de 17 julho 1990) com cerca de 360m de extensão e 4,60m de largura, que fazia parte da via que saía de Viseu para sudeste. Situado numa zona de encosta, em muito bom estado de conservação, é um dos mais notáveis do país.

 

MURALHA ROMANA

Trabalhos arqueológicos realizados durante obras de remodelação da Rua Formosa resultaram na identificação de um troço da Muralha Baixo-Imperial (finais do séc. III dC), que integra um torreão maciço semicircular, e que se sobrepõe a um troço de uma outra muralha mais antiga do período dos Flávios (séc. I dC). A muralha mais recente teria, pelo menos, 4 portas, cerca de 4 metros de largura e cerca de 9 metros de altura, e uma série de torreões.

 

INSULA DA PREBENDA

No edifício nº 70-72 na Rua da Prebenda, trabalhos arqueológicos revelaram os alicerces de uma ínsula, datada de entre o último quartel do século I d.C. e o início do século II. Os vestígios correspondem à base de muros que delimitam dois compartimentos pavimentados, um dos quais com elementos cerâmicos losangos, dispostos em espinha (opus spicatum). As insula eram um tipo de habitação comum nas cidades romanas, destinado a albergar a população com mesmo recursos. Similares a apartamentos podiam dispor de vários andares, sendo geralmente destinados a aluguer por famílias mais pobres.

 

COLUNAS DE TEMPLO ROMANO (SÉ DE VISEU) / ACRÓPOLE DA CIDADE ROMANA

O fórum romano localizava-se na acrópole, hoje Largo da Sé. No Museu de Grão Vasco, mais precisamente no primeiro claustro do edifício, escavações arqueológicas revelaram a base de várias colunas de um templo. A este terão, possivelmente, pertencido as colunas e base que estão na Quinta da Carreira e um capitel e base que se podem ver no Claustro da Sé de Viseu.