Quinta da Cruz - Centro de Arte Contemporânea

Banhada pelo Rio Pavia, é um lugar singular situado fora do perímetro central da cidade e um território inspirador onde a natureza e a arte se encontram, contaminam e criam sinergias únicas.

Adquirida por Nicolau de Mendonça Falcão do Amaral nos finais século XVIII, a propriedade tem uma extensão de 10 hectares de área verde, ornamentada por espécies exóticas que dialogam de forma harmónica com elementos autóctones e que reativam uma memória coletiva deste espaço.

Atual propriedade da Câmara Municipal de Viseu, a Quinta da Cruz reabriu ao público em 2014 como um motor de atividades culturais com múltiplas preocupações que se manifestam nos âmbitos da arte, natureza e comunidade. Projeta-se como "Centro de Arte Contemporânea de Viseu", cujas valências se complementam numa relação profícua e geradora de novos diálogos: a partir do desenvolvimento de programas expositivos de curta duração, incentivo à criação artística e à promoção de projetos que refletem sobre o estado da arte e o seu papel na sociedade contemporânea. A calendarização anual materializa-se em estreita articulação com a infraestrutura polinucleada que o caracteriza.

A sensibilização, a criação e a formação de públicos fazem parte dos objetivos estratégicos da Quinta da Cruz - Centro de Arte Contemporânea de Viseu.

 

Exposições temporárias

Palavras em Liberdade - E.M De Melo e Castro: O artista e a sua coleção

Até 7 de agosto de 2022

Nesta exposição são evidenciadas as facetas de artista e dinamizador cultural de E.M. de Melo e Castro, através de um conjunto de obras da sua autoria, assim como de publicações e livros de artista da sua vasta coleção dedicada à poesia visual. Joana Valssassina assina a curadoria desta exposição.

 

2022

Até 23 de julho de 2022

Esta é a terceira edição da exposição dos alunos finalistas do curso de Artes Plásticas e Multimédia da Escola Superior de Educação de Viseu (ESEV), na Quinta da Cruz – Centro de Arte Contemporânea de Viseu. Com o nome "2022”, a exposição apresenta peças criadas pelos alunos, sob orientação dos respetivos docentes, e explora temas como a emergência ambiental, questões de género, a saúde mental, ou a desertificação do interior, e ainda projetos mais aplicáveis a contextos profissionais como a criação de identidades visuais, vídeos institucionais e repositórios gráficos.